MÍDIAS SOCIAIS
MURAL DIGITAL PEQUISA DE SATISFAÇÃO RESÍDUOSPLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSEstiagem PCJRELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADEARES-PCJRelatório Anual da Qualidade da ÁguaCaçambeirosAtibaiaRio Atibaia TelemetriaCIPACiiagroPlano Municipal de SaneamentoRadar de ChuvasConsórcio PCJ
Piloto de Estudo de Redução de Perdas
10 OUT 2017

Piltoto de Estudo de Redução de Perdas do Sistema Produtor Portão



Projeto Piloto de Perdas é realizado pela SAAE Atibaia a fim de combater as perdas e pontuar no Programa município Verde Azul.
 

O objetivo deste estudo é mostrar um breve histórico do consumo e de todas as perdas físicas, que o bairro do Portão sofreu no período de dois anos (2015 e 2016).  Além de apresentar o impacto da redução de perdas físicas na rede de distribuição sob as perdas reais de água através da análise das curvas de consumo em um distrito de medição e controle e mostrar que a correta setorização é o caminho mais razoável para se promover o controle na distribuição de água, bem como o monitoramento on-line é essencial para o monitoramento da distribuição de água.

*As ações de redução e controle de perdas não podem constituir um programa com tempo de duração limitado, mas devem ser incorporadas a um processo contínuo e permanente, passando a fazer parte da cultura da entidade operadora. Considera-se como perda física toda água que é subtraída do sistema e que não é consumida pelo cliente final.

            Pode parecer, à primeira vista, que a formatação de um Programa de Controle de Perdas deve requerer bases tecnológicas, ferramentais e logísticas sofisticadas. Esse tipo de pensamento parece pressupor, também, que atividades de controle de perdas dizem respeito apenas às grandes companhias de saneamento. Isso só desestimula a percepção de que o que se propõe é a adequada operação e a manutenção dos sistemas de água, o que vale para grandes, médias e pequenas empresas na prestação de serviços de abastecimento de água à população, independentemente do ferramental utilizado. Imprescindível, nesse contexto, é contar com mão de obra treinada e compromissada, além de materiais qualificados, de forma a garantir a permanência dos resultados, eliminar retrabalhos e evitar desperdícios de recursos. Em vista disso, a melhor forma de avançar nessa melhoria operacional é trabalhar de forma gradual, calibrando os passos e mudando de patamar à medida que as condições técnicas e econômico-financeiras assim o permitirem

Com a implantação do sistema de telemetria conseguimos acompanhar na tela do microcomputador o consumo em tempo real. O sistema possui oportunidade de melhoria com a implantação de alarmes e determinação das faixas mínima e máxima de trabalho.

            Este acompanhamento tem sido de grande importância para a produção e operação de rede, no entanto ele necessita evoluir para um Centro de Controle Operacional, tendo uma equipe dedicada para acompanhar este sistema e outros a serem implantados, 24 h/dia.

            Em Junho/17 o custo de energia elétrica e produtos químicos por metro cúbico na ETA Portão foi de R$ 0,68/m³. Comparando nosso pico de produção, somado às perdas, com o volume produzido após as ações de combate e redução as perdas, deixamos de perder em média 3.350m³/mês, equivalente a R$ 2.300,00/mês que deixamos de gastar na produção.

            O resultado mais significativo foi da redução, onde em 05/2016 registramos o índice de 57,98% de perdas e em 08/2017 o índice de 17,16 %. Uma redução de 40,82 % nas perdas, resultado das ações em campo e do monitoramento on-line dos sistemas de produção e distribuição.

*Fonte: Redução de perdas em sistemas de abastecimento de água (FUNASA)

          : Aspectos relevantes do controle de perdas em sistemas públicos de abastecimento de água – Ponto de Vista – Jairro Tordelli Filho

 
 
 

Design por: Agência bcicleta